quinta-feira, 23 de março de 2017

Conflitos na região da Caxemira

Hoje eu vou falar um pouco sobre os conflitos na região da Caxemira, de forma bem sucinta.
A Caxemira é uma região ao norte da índia que é disputada pela índia, pelo Paquistão e já teve a presença da China. Atualmente a Caxemira é parte oficial da índia, porém o Paquistão reivindica a Caxemira como seu território devido ao seguinte fato: a índia é um país essencialmente hinduísta, mas a Caxemira é de maioria muçulmana, assim como o Paquistão. Em suma, o Paquistão alega que a Caxemira deveria se parte do seu território por conta dessa semelhança cultural. Mas é válido ressaltar que o mundo atual é capitalista e que os interesses "mascarados" são econômicos e políticos, não puramente culturais. A Caxemira é muito rica em recursos hídricos, tanto que abriga as nascentes dos rios mais importantes da índia e do Paquistão; e especula-se que lá exista muito petróleo também.
Ficha:
Tipo: Diferenças étnicas e disputas pela divisão de fronteiras nacionais

O que chama a atenção do mundo: O fato de que índia e Paquistão detêm bombas atômicas, a índia tem um arsenal bélico mais avançado que o do Paquistão, porém este poderia contar com o apoio de outros países muçulmanos.

E a paz? Em 1972, houve o Acordo de Simla que estimulou a negociação pacífica para o problema da Caxemira. Mas no fim dos anos 1990, sobreveio uma nova onda de hostilidades entre Índia e Paquistão nas fronteiras da Caxemira por meio de manobras militares e ameaças de retaliação. Se você clicar aqui verá notícias atuais sobre embates na região da Caxemira.



Importante: Durante a Guerra Fria, a índia apoiou bem indiretamente a URSS e o Paquistão aos Estados Unidos. A índia faz divisa com o Tadjiquistão, então União Soviética, o que contribuiu para a ideia de "Cortina de Ferro".Após o ataque às torres gêmeas, em 2001, os Estados Unidos aumentaram suas relações com o Paquistão, já que este faz divisa com o Afeganistão, suposto local de origem dos ataques.

Viu só?Não falei que eram interesses políticos e econômicos?

Nenhum comentário: